Informações sobre Sabiá (Turdus sp)

27/03/2011 09:34

Encontram-se espalhados pelas Américas e Europa, sendo que no Brasil existem cerca de 11 espécies. Muitos outros também são chamados de Sabiá, porém não pertencem ao gênero Turdus, como o Sabiá-cica (Triclaria cyanogaster), o Sabiá-do-campo (Mimus saturninos) e também o Sabiá-preto (Platycichla flavipes). Assim como os Curiós, o canto dos Sabiás é marcado por variações regionais, em especial o canto do Sabiá-laranjeira. Seu canto pode ser ouvido a partir de meados de setembro, antes mesmo de amanhecer. Este canto tem a função de demarcar território e atrair fêmeas. Habitam áreas de matas, porém podem ser encontrados também em grandes centros urbanos, nas áreas arborizadas. Assim como outros animais da nossa fauna, o Sabiá só pode ser adquirido de criadores credenciados pelo IBAMA.

Hábitos:

Observado geralmente em bandos, que podem ter até 13 integrantes. Na porção sul de sua distribuição não forma bandos, e costuma viver em casais. Enquanto caminha pelo solo, de tanto em tanto abre ambas asas numa exibição denominada "lampejo de asas", cuja finalidade não é entendida e que é observada também em outras espécies do gênero. O lampejo pode ser executado também quando a ave se depara com uma ameaça em potencial (humanos próximos demais, serpentes).
Reprodução:
Não é possível diferenciar externamente os machos das fêmeas do Sabiá-laranjeira. Ambos constroem o ninho utilizando gravetos, fibras vegetais e barro. A postura é de 3 a 4 ovos em média, de cor esverdeada com pintas cor de ferrugem, e o período de incubação gira em torno de 14 dias. Os filhotes deixam o ninho após 20 dias, porém continuam a ser alimentados pelos pais por mais uma semana. O casal é auxiliado por um terceiro ou quarto indivíduo do bando, que talvez sejam crias de anos anteriores. Repelem os outros pássaros das proximidades do ninho.
Manutenção:
O Sabiá precisa de gaiola ou viveiro apropriados, para que possam viver bem e com saúde. A gaiola deve ter no mínimo 100 cm x 45 cm x 50 cm. Esta deve ser posta em um local que receba sol, porém com uma parte sombreada. Deve-se evitar a movimentação da gaiola e a colocação de objetos estranhos dentro da mesma, pois estes pássaros assuntam-se facilmente, podendo vir a se machucar. Limpar sempre os recipientes de água e comida, bem como a gaiola. Evitar locais onde o calor é excessivo e onde existam correntes de ar, garantem condições melhores a estes pássaros.
Alimentação:

Existe alimentação comercial de excelente qualidade como o Alcon Club Sabiá e Pássaro Preto, assim como o Alcon Club Farinhada para Pássaros Frugívoros e Insetívoros. Alimenta-se principalmente de invertebrados e frutos. Dentre os invertebrados, os insetos (formigas, cupins, besouros) constituem a maior parte das presas. Os frutos podem ser silvestres (neste caso de pequeno tamanho, engolidos inteiros) ou cultivados, como laranja e abacate. As sementes não são digeridas, e atravessam intactas o tubo digestivo. A ave atua, assim, como dispersora das sementes dos frutos que ingere. A maior parte do alimento é obtida enquanto a ave caminha pelo solo. Outros métodos de alimentação com presas animais são menos freqüentes, como a captura de insetos em vôo a partir de poleiros elevados, ou com saltos a partir do solo. Frutos são coletados pela ave empoleirada; frutos de grande tamanho, cultivados, podem ter parte de sua polpa consumida após caírem ao solo. Muitos dos alimentos aqui citados poderão, num primeiro momento, não serem aceitos pelos sabiás. Acontece que os pássaros desconhecem a maioria desses alimentos. Não os conhecendo, os evitam e acabam por não os ingerir. Porém, a diversificação da dieta constitui a pedra de toque. Precisamos colocar várias vezes uma determinada fruta, um legume ou outro alimento, até o pássaro bicá-lo, gostar e dele passar a se alimentar. Devemos insistir. A insistência acaba prevalecendo e, aos poucos, os pássaros vão aprendendo a conhecer e apreciar estes novos produtos, podendo-se, assim, variar a dieta, muitas vezes pobre em nutrientes, variedade e atrativo.

Segue como sugestão:

Frutas: mamão; banana; pêra; abacate; goiaba; carambola; jaca; figo; melão; kiwi; maçã; araçá; melancia; abacaxi; uva; bergamota; miolo de fruta pão; caju; jambo; amora; pêssego (polpa mole); ameixa roxa (chilena); ameixa amarela; fruta-do-conde; jaboticaba; lima-de-umbigo; lima-da-Persia; pitanga.

  • Legumes/Outros Alimentos: pepino; jiló; pimenta malagueta; tomate; berinjela; abobrinha italiana; mandioca cozida; pimentão; moranga cozida; abóbora cozida; milho verde; maxixe; beterraba cozida; pimenta comari; tomatinho ornamental; pimenta dedo-de-moça; frutinhos da aroeira (árvore); pão seco embebido em água e mel; angu de fubá (sem sal ou gordura); queijo ricota; geléia de mocotó; arroz cozido (sem sal, óleo ou gordura); larvas de tenebrio (bicho-da-farinha); minhoca; cupim; tofu (queijo de soja).