Infertilidade na Criação em Cativeiro de Aves Silvestres: Afinal o que faço de errado!?

25/04/2011 19:30

Prezados leitores e amigos! É com grande prazer que escrevo pela primeira vez para vocês leitores da Revista Passarinheiros. O objetivo nesta coluna é trazer de forma descontraída e sem palavras elaboradas a verdade sobre algum assunto no nosso cotidiano das aves. Enfim, para aqueles que não me conhecem eu sou o Dr. Felipe Bath. Então meus amigos se acomodem e boa leitura

Uma das perguntas mais ouvidas na internet é: O que fazer para meu galador voltar a encher ovo!? As pessoas pensam que existe um remédio único e milagroso que trará a sua maravilhosa ave ao apogeu de Afrodite. Não existe milagre. O primeiro passo é observar se sua ave esta em condições de reproduzir, ou seja, esta obesa ou não. Ave obesa não reproduz pelo simples fato de superaquecer a mesma levando a uma não produção de espermatozóides ou óvulos na fêmea.

O segundo passo é observar as condições higiênico-sanitários do plantel. Muitos criadores só gritam por ajuda quando já perdeu mais de 50 ovos em branco.. Todo criador deve pensar com 1 ano de antecedência os seus passos. Não adianta que não vai salvar a temporada no meio. Todo plantel deve fazer exame parasitológico de fezes. É o mínimo!! Mas se for uma pessoa com visão fará também cultura e antibiograma, salmonelose e micoplasmose.

A visão empresarial deve mudar. Isso se chama investir no seu plantel. Muitos compram galadores por pequenas fortunas e não investem 1 real com veterinário, exames e profilaxia. E quando investe quer resultado imediato, para estes prefiro nem atender..

Então, já vimos que obesidade atrapalha tanto o macho quanto a fêmea, assim como outras doenças como micoplasmose, salmonelose e outras bactérias. Conto um segredo, 90% dos seus problemas estão aqui. Agora o grande vilão de todos é o excesso de medicamentos que vejo usarem.. é remédio pra tudo.. é prevenção que escuto falar.. prevenção de que!? Alguém toma remédio para prevenir gripe, diarréia ou pneumonia.. só se for um hipocondríaco. Outro fato é o uso de medicamentos sem rótulos e inapropriados que se vendem a cada Torneio.. se é tão bom porque não usa para si próprio!?

Vamos amadurecer e termos senso critico das coisas. Ainda bem que proibiram a venda de antibióticos sem prescrição de um profissional. A guerra mercadológica é absurda e parece que existe alguém gritando comprem.. comprem.. medicamento só com o consentimento do seu veterinário.

Não existe milagre. Em fêmeas vocês devem ter o mesmo raciocínio. Vejo muita gente sobrecarregar suas fêmeas de carbohidratos e proteínas como se isso fosse resolver todos os problemas. Vejo muita gente dar ração de codorna e galinha para Curió somente pela ganância de vê-la colocar 3 ovos. A fábrica um dia vai parar e uma fêmea que deveria viver no mínimo uns 20 anos não passa de 8. Valeu à pena?! A vida útil reprodutiva seria muito maior se respeitássemos mais a fisiologia de nossas aves.

Afinal Dr. o que faço de errado para meu macho não encher ovo?! É uma mistura de despreparo, desqualificação de mão-de-obra e desespero em ver seu patrimônio simplesmente desvalorizado em 1 ano. Então quando já vem com a historia que o macho não enche ovo. Pergunto se sinceramente quer recuperá-lo ou não, pois amigo criar é uma arte. Não automediquem suas aves, pois com certeza só vai piorar a situação delas. Despeço-me por aqui com o ar de tristeza de que poucos farão os exames, mas com a cabeça tranqüila de dever cumprido. Espero estar de volta em breve. Deixo o pensamento do dia: ´´ Ter falhado significa ter lutado. Ter lutado significa ter crescido´´.

 

Dr. Felipe Victório de Castro Bath

Médico Veterinário CRMV-RJ 8772

Especialista em Biologia, Manejo e Medicina da Conservação dos Animais Selvagens

Mestre em Microbiologia Veterinária pela UFRRJ